Institutos e fundações precisam de mais ‘pé no barro’
Mas são dragados em reuniões intermináveis
no ar condicionado

Empresas fazem qualquer negócio
pra chamar um propósito de seu
Mas evitam ao máximo bolas divididas

Governos insistem que tudo vai ser
novo e diferente
Mas se rendem a pressões de todo lado

Pessoas fazem votos de vida nova
Mas seguem perdendo para
seus próprios preconceitos

Meios de comunicação descobrem
que já não reinam como antes
Mas seguem renegando os novos tempos

Startups nascem pra transformar o mundo
Mas sonham mesmo com
aquele cheque de um fundo de investimento

ONGs lutam pra entregar ‘impacto’
Mas penam pra pagar as contas

Nossa tarefa tende à incompletude

Às vezes prosperamos
comendo pelas beiradas

Outras vezes como um penetra numa
‘festa estranha com gente esquisita’

É assim que me sinto ultimamente

Um ET para alguns

Um sonhador para outros

Um outsider para mim mesmo

Mas a frase do filósofo
me conforta e me intriga
neste momento estranho
que atravessamos

‘não sabemos o que se passa
e isso é o que se passa’
(José Ortega y Gasset)

Típica sina terrestre

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Penso que você vai gostar

ex-pecialista

quando eu tinha outro chapéu institucional era convidado para eventos, diálogos carregava…

envelhecer

“foi-se o tempo em que a vida dava tudo de bom e…