5 Lições aprendidas em um ano pandêmico

Embora nem o ano nem a pandemia tenham acabado, aprendizados não faltam nestes tempos voláteis e insanos em que estamos. Talvez a única certeza seja de que 2020 é e será marcado como um ano absolutamente maluco.

Reuni aqui 5 lições que consegui capturar ao longo deste ano.

1. Máscaras caem, algoritmos sobem

A vida de bolhas limita a nossa capacidade de enxergar a realidade, pois muitas realidades paralelas se apresentam em nossas telas e o excesso de informação parece jogar lenha na fogueira de teorias absurdas da conspiração e terraplanismos de toda ordem.

Quem conseguiu calibrar sua própria lente pôde identificar facilmente muitas máscaras que caíram (e que seguem caindo) ao longo do ano. Personalidades, figuras públicas, colegas, familiares, que assumiram posicionamentos e visões ou absurdas ou avançadas durante a pandemia. Exemplos bons e ruins abundam por aí, basta querer enxergá-los. A ponto aqui é que o mais difícil foi sair ileso a essa enchurrada de situações.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 2. Modo total flex

Todos se ajustaram ao mundo virtual, ao tele-trabalho, à tele-aula, ao tele-consumo e ao tele-individualismo, pois a necessidade se impôs sobre resistências. Nem tudo deve ser comemorado, como alguns tendem a nos fazer crer, pois o mundo virtual se apresentou como solução, de um lado, mas também deixou brechas pelo caminho.

O fator bomba relógio de saúde mental, que chega com força e retroalimenta a vida de bolhas virtuais, merece ser considerado neste tópico. Essa bomba explodirá com mais força na temporada 2021, que se reinvindica híbrida: home office com momentos de office?

Será mesmo um ano de retomada ao modelo presencial? Sem dúvida, momentos presenciais fazem muita falta, mas sem uma vacina amplamente disponível ele segue carregado de riscos e incertezas. A conferir.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

3. Oportunidades e desafios sempre há

Embora a crise amplifique os desafios, sempre há oportunidades no horizonte. No campo socioambiental e de impacto a tendência é de crescimento pela frente, afinal, esta agenda já vinha conquistando seu ‘lugar ao sol’ e parece ter vindo pra ficar. A conferir.

Isso não significa, porém, que sempre haverá oportunidades e vagas a todos. Como em qualquer setor, alguns conseguirão surfar melhor a onda enquanto outros sequer chegarão perto dela. De todo modo, construir visões estratégicas sobre este setor e saber identificar oportunidades me parece a tônica. Quem busca curso on-line ou consultoria-coach-quântica que ofereça essa visão vai se decepcionar.

Lembremos que quando tudo virar impacto, diferenciações serão pulo do gato e mais do que isso, elas seguirão precisando de gestão e capacidade de implementação. Boas ideias são aquelas que são colocadas em prática e que geram sólidos resultados.

4. A boa e velha gestão

Como ela segue fazendo falta e como segue em alta.

Seja no setor privado, no governo ou na sociedade civil, gestão segue sendo a peça chave e curiosamente segue em falta. Gestão não se reume a bons administradores, nem tampouco a bons departamentos de compliance, mas sim de profissionais que consigam agregar diferentes perspectivas – institucional, política, administrativa, equipes, resultados, etc.

Rodar essas vários pratinhos no ritmo adequado e saber compartilhar pratinhos com equipe é a chave de qualquer gestão. Tarefa nada fácil, convém constatar com obviedade.

Portanto, esse tal de impacto hype não para de pé sem gestão. Toda e qualquer espuma será levada pelo vento.

 5. Nem tão forma nem tão conteúdo

O equilíbrio entre forma e conteúdo é chave e de difícil equalização prática, pois vivemos tempos em que a forma se sobressai sobre o conteúdo. No campo do impacto é muita espuma pra pouco impacto real. Em outras palavras, há muito impacto real que não consegue se destacar na atualidade e, portanto, segue invisível aos olhos da vitrine ecossistêmica. Há muitos bons fazedores de impacto que seguem invisíveis e, é atrás deles que deveríamos concentrar energia no ecossistema de impacto.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

O ano chega ao fim e nós seguimos nos perguntando se temos sido capazes de identificar essas lições e se elas têm nos ensinado algo. Das lições aprendidas o mais valioso são os aprendizados que a vida sempre nos trará. Na maior parte das vezes, tendemos a ignorá-los, infelizmente.

CategoriesImpacto Social
Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Begin typing your search above and press return to search. Press Esc to cancel.